Da folia ao descanso, Paraná tem Carnaval para todos os gostos
21/02/2020 - 15:06

Para quem tem samba no pé e quer tirar as fantasias do armário, inclusive as de zumbi, ou prefere aproveitar o feriado prolongado para estreitar o contato com a natureza, o Carnaval do Paraná tem opções para todos os gostos. Do Litoral até o Noroeste, em Tibagi ou Foz do Iguaçu, os dias de folga são um convite e tanto para os bailes e blocos de rua, quanto para conhecer os diversos pontos turísticos do Estado.

A programação completa das atrações carnavalescas estão disponíveis na página da Paraná Turismo. Já o portal Viaje Paraná compila os destinos turísticos do Estado, divididos nas 14 Regiões Turísticas paranaenses.

“Temos programações carnavalescas em todo o Estado, algumas mais regionais e outras mais abrangentes. Da mesma forma, há procura muito grande por pontos turísticos para fugir do ritual do Carnaval. Foz do Iguaçu e Curitiba são os locais mais procurados para um roteiro mais tranquilo”, explica a diretora técnica da Paraná Turismo, Isabella Tioqueta.

CURITIBA – Mesmo assim, a Capital conta com diversas opções para os foliões, desde o desfile das Escolas de Samba até a Zombie Walk, a marcha de zumbis que se tornou sinônimo do Carnaval curitibano e que está em sua 11ª edição. Além dela, o Carnaval Nerd, que acontece no sábado, 22, completa o bloco dos alternativos.

Com muito sangue, caveiras e monstros aterrorizantes, a concentração para a Zombie Walk será às 11 horas de domingo, 23, na Praça Osório. A partir das 13 horas, a caminhada segue pelo calçadão da Rua XV de Novembro até a Praça Santos Andrade. No local, haverá apresentação dos atletas de futebol americano e cheerleaders do Guardian Saints, show da banda Expresso 42 e uma performance dos zumbis ao som de Thriller, de Michael Jackson, feita pelo grupo Discodance Company.

Passistas e carros alegóricos de 20 Escolas de Samba, de Curitiba, desfilam na Avenida Marechal Deodoro no sábado e no domingo. Diversos Blocos Carnavalescos e o Baile Infantil Curitibinha também passam pela Avenida nos dois dias.

No sábado, 22, as crianças poderão aproveitar também o Baile de Carnaval da Seção Infantil da Biblioteca Pública do Paraná. As atividades incluem desfile de fantasias, oficina de confecção de máscaras e uma sessão especial de contação de histórias. O evento acontece a partir das 10 horas, com entrada gratuita.

Para quem quer ficar longe do agito, Curitiba também é o lugar certo. São 27 Parques Municipais e uma série de espaços culturais para uma imersão na tranquilidade. Além disso, a Linha Turismo da Prefeitura, que faz o trajeto entre os cartões-postais da cidade, funciona durante todo o feriado. O valor do percurso completo é de R$ 50,00.

LITORAL – De acordo com a prefeitura de Curitiba, cerca de 50 mil pessoas vão deixar a cidade de ônibus no feriadão. Grande parte desse público (40%) vai para o Litoral paranaense. E não vão se arrepender, já que as cidades litorâneas contam com uma intensa programação para a folia.

Um dos Carnavais mais tradicionais do Estado é o de Antonina, que chega a reunir 150 mil pessoas, que não perdem os coloridos desfiles na Avenida do Samba. A programação começa nesta sexta-feira, 21, com a entrega da chave da cidade ao Rei Momo e à Rainha do Carnaval, e segue intensa até a terça-feira, 03.

São desfiles de blocos folclóricos e carnavalescos, de escolas de samba, baile público para adultos e crianças e o divertido concurso das Escandalosas e das Charmosas. A programação completa está na página da Prefeitura.

Antonina e Morretes, cidades-irmãs que guardam a história do Litoral, são também um prato cheio para a gastronomia, com o tradicional barreado e comidas à base de peixes e frutos do mar.

Os passeios em meio à Mata Atlântica, os banhos de rio na Graciosa e as montanhas da Serra do Mar, aliam a tranquilidade da natureza com atividades de aventura.  As praias de Guaratuba e Matinhos também deixarão muita história de Carnaval para contar, com bandas, bloquinhos e trios elétricos para agitar os foliões, além de atividades voltadas para as crianças.

FOZ DO IGUAÇU – As Cataratas do Iguaçu, ponto turístico mais visitado do Paraná, não foge do radar nos turistas no Carnaval. A estimativa do Parque Nacional do Iguaçu é receber, pelo menos, 40 mil pessoas durante o feriado.

Para além das Cataratas, quem estiver em Foz não pode deixar de visitar outros pontos turísticos da cidade, como o Parque das Aves, a Itaipu Binacional, o Marco das Três Fronteiras e o Templo Budista.

Em Foz tem também o Carnafalls, com uma programação que inclui atrações como o Carnaval da Saudade, o concurso Menina Veneno, Carnaval nos Bairros, Carnaval para Terceira Idade e o Carnafeira.

Nas cidades vizinhas a Foz há também a possibilidade conhecer as prainhas do Lago de Itaipu. As mais estruturadas são as de Santa Terezinha de Itaipu, Santa Helena, Missal e Itaipulândia.

TIBAGI – O Carnaval Centenário de Tibagi, que nesse ano completa 120 anos de história, é recheado de atrações e recebe um número de turistas significativo. A festa é gratuita e acontece de sexta a terça-feira na Praça Edmundo Mercer.

Matinê para criançada e para os idosos, shows de bandas regionais e nacionais, roda de samba, concursos e desfile e premiação do corso (carros decorados) são os atrativos tradicionais da festa da cidade.

O folião que for a Tibagi pode conhecer, ainda, uma das paisagens mais bonitas do Paraná. O Parque Estadual do Guartelá abriga o Cânion do Rio Iapó, a Cachoeira da Ponte de Pedra, paredões com pinturas rupestres e os Panelões do Sumidouro, onde é possível tomar banho em verdadeiras banheiras de hidromassagem naturais.

O parque abre das 9 às 16h30, de quarta-feira a domingo, e nos feriados nacionais. Para aproveitar bem o passeio, o conselho é chegar de manhã ou logo após o almoço, devido à extensão dos trajetos e do tempo necessário para percorrê-los.

Para confirmar os horários de funcionamento do Parque, em feriados, basta ligar para o Disk Turismo (0800 643 1388). Grupos com mais de 30 pessoas devem ser agendados previamente pelo telefone (42) 98873-8568. Para fazer a trilha de pinturas rupestres é preciso contratar um condutor ou guia de turismo das operadoras da cidade.

 

(C/ AEN)